domingo, 30 de janeiro de 2011

Oração das Mulheres (ou: A Vingança dos Bofes).

ORAÇÃO DAS MULHERES:

"Querido Deus.

Até agora o meu dia foi bom. Não fiz fofoca, não perdi a paciência, não fui gananciosa, sarcástica, rabugenta, chata e nem irônica.

Controlei minha TPM, não reclamei, não praguejei, não gritei, nem tive ataques de ciúmes. Não comi chocolate. Também não fiz débitos em meu cartão de crédito (nem do meu marido) e nem dei cheques pré-datados.

Mas peço a sua proteção, Senhor, pois estou para levantar da cama a qualquer momento... Amém!"

Cristiane Galvão: "Muntcho doida demais!"


Nossa família de artistas e arteiros...
Eis aí um engraçado vídeo que a Christiane nos enviou quando estava passando por (mais um!) de seus momentos hilários. É o vídeo da Chris com seus efeitos (ou defeitos?) especiais.

Alice Galvão: Condolências.

De: Alice Galvão - Goiânia (GO)
Meus sentimentos pela perda do primo Victor.

Alice Galvão.

Beatriz: Lembranças do Tio Victor e seus slides.


De: Beatriz Galvão de Avellar Pires - Botucatu (SP)

Convivi com os tios Victor e Alice, primos Vânia, Alexis, Nazaré, Babinho...

Fábio, que é o raspa da panela e o Flávio, que já está estrelinha e com certeza ao lado do tio...
Tia Alice também. Era uma vila com 6 casas na Avenida Faria Lima e volta e meia lá estava eu passando uns dias das férias.

Tio Victor sempre ganhava concursos de fotos e assim realizava viagens ao exterior. Algumas delas me vejo na sala presenciando a série de slides (hoje seria multimidia)... Bahia, França, Itália... Os detalhes eram impressionantes e ele explicava sobre infra vermelho e tantas outras coisas.

Fotógrafo bom tem que ter jogo de lentes, e todo um acessório. Mesmo na era digital não basta click!, tem q saber bem mais. A essas horas ele já deve estar clicando nosso planeta azul e deve estar girando entre uma galáxia e outra, vendo o melhor angulo, a iluminação, e com aquele sorriso comum a todos da familia, deve estar planejando como participar do próximo concurso.

Beijo tio e, para os que ficam, que Deus continue estendendo as mãos, os abençoando e lhes dando muita força.

Há uns 3 anos atrás estive em Tatuí e tentei contatá-lo. Mas deu desencontro de horários. Ficam as boas lembranças...

Beatriz.
beatrizgap@ymail.com

domingo, 23 de janeiro de 2011

Ubatuba: Sertão das Cotias e Trilha da Lagoinha.

Google Earth Co-ordinates:
Sertão das Cotias way:23 26' 59.81"S 45 06' 02.71"W
Trilha da Lagoinha:23 31' 35.74"S 45 11' 17.30"W

PORTUGUÊS:
Ubatuba, litoral norte do Estado de São Paulo. Passeio na estrada ecológica do Rio Escuro, no meio do Sertão das Cotias, que é parte do Parque Estadual da Mata Atlântica. Segunda parte: passeio a pé pela trilha da praia da Lagoinha, a 23 km do centro da cidade de Ubatuba, na direção de Caraguatatuba pela Rodovia Rio-Santos, BR 101 - Estrada litorânea.

ENGLISH:
Ubatuba, northern coast of São Paulo State. Walk on the Dark River ecological road, amid the Cotias Hinterland, which is part of the Atlantic Forest State Park. Part two: walk along the Lagoinha beach trail, 23 km from the center of Ubatuba town, toward Caraguatatuba city in the Rio-Santos highway, BR 101 - coastal highway.

sábado, 15 de janeiro de 2011

Victor Hugo e o Amendoim Torradinho

Léo, Leda e Thaís em São Paulo. Ano: 1953.
Foto de Victor Hugo. Ele me enviou esta foto de presente logo que aprendeu a mandar e-mails pela internet. Guardei-a em meu arquivo. Publico-a hoje.
(Reparem na nitidez da imagem. O Victor já era profissional em fotografia).

Certa vez, viajando de ônibus e não tendo nada o que fazer enquanto ia sentado, fiquei tentando retornar a minha memória o máximo possível. Eu queria saber até onde poderia retornar mentalmente ao passado da minha vida.

Fiz um grande esforço de concentração e, por mais que eu tentasse ir mais para trás na minha memória mais antiga, não consegui. Parei quando me vi num certo dia numa rua do bairro de Pinheiros, em São Paulo. Eu deveria ter de três para quatro anos de idade e o Victor Hugo me levava passear pela calçada.

Sim! O Victor morava na casa de mamãe e papai (Vô Rapha e Vó Leda) em São Paulo.
Ele tinha ido para lá estudar e trabalhar como fazem muitos estudantes que saem do interior e vão para a capital em busca de melhoria de vida. Papai Raphael, que lecionava inglês em São Paulo, já era casado com Leda e a vida deles começava a se estabilizar na capital. Não havia, portanto, nenhum problema em hospedar o primo que chegava... e já paquerava a filha da vizinha!

Sim. Paquerava a Alice, uma loiraça bonita que era a filha da Dona Maria que morava ao lado.
Ah, sim. O Victor casou-se com ela e uma de suas filhas com a Alice foi a Vânia, cuja foto vocês podem ver no nosso AVC Blogspot.
Mas eu estava falando da minha memória. A mais antiga que eu queria chegar na minha cabeça. E nela me vi passeando na calçada do nosso bairro, com o Victor Hugo me conduzindo pela mão.

Até que na beira da sarjeta vimos lá um carrinho de pipoca. O homem vendia pipoca e amendoim torradinho.
"Quer um amendoim?" - perguntou-me o ainda bem jovem Victor Hugo.
Lógico que eu queria. E ele comprou um saquinho para mim e outro para ele.

Abri o saquinho, peguei aquela coisa meio áspera, pus na boca e já fui mordendo. Um gosto esquisito...
"Não! Não!" - exclamou rindo o primo Victor Hugo. "Não é assim que se come!"

É que naqueles dias amendoim se vendia... NA CASCA! A gente tinha que ABRIR A CASCA com o dente e, lá de dentro, pegar os amendoinzinhos que chacoalhavam dentro daquela espécie de cápsula onde nascem os amendoins. Tinha que tirar da casca, para depois comer.

Ora, eu era só um menininho. Como podia adivinhar essas coisas tão complicadas da vida?
Fiquei rindo comigo mesmo no assento do ônibus que me levava a Guaratinguetá, para eu ir namorar a Ditinha.

Esta foi a minha mais antiga lembrança que consegui alcançar nessa vida. Daí para trás, não consigo ir mais.
Você já tentou fazer isso alguma vez, caro parente? Tente rebobinar o seu filme e veja até que ponto você consegue se recordar nessa vida.

Pois eu lhes digo uma coisa. Na minha recordação mais antiga, a mais antiga de todas, o nosso primo VICTOR HUGO DA COSTA PIRES estava lá... passeando comigo na rua e me ensinando a comer amendoim.
Fica em paz, Victor Hugo. Fica em paz, primo véio. Nos voltaremos a ver. Será que aí no céu tem amendoim torradinho?

Léo.

VICTOR HUGO nos deixou dia 8 de Janeiro.

VICTOR HUGO DA COSTA PIRES
Primo nos deixou dia 8 de janeiro último.

Vânia Pires, filha de Victor Hugo com Alice.
Aqui, Victor fotografou a filha com seus dois netos e neta. Todos filhos de Vânia.

Faleceu Victor Hugo, em Tatuí.

Os irmãos Costa Pires, filhos de tios Hugo Pires e Celina:
Victor Hugo, Carminha, Fausto e Norma.


Faleceu dia 8 de janeiro, sábado passado, o nosso primo VICTOR HUGO DA COSTA PIRES, filho de nossos tios-avós Hugo Pires e Celina Costa, em Tatuí.

VICTOR HUGO, o VEAGÁ, fotógrafo artístico e profissional, lecionou durante muitos anos fotografia e também trabalhou na Fotóptica, em São Paulo, durante muitos anos. Ele é primo-irmão do Vô Rapha, do Tião Mendes, do Tio Avellar, da Tia Duda, etc.

Só ficamos sabendo do falecimento do VICTOR agora pouco, em um telefonema da NORMA PIRES, sua irmã, que nos ligou de São Paulo. Veja foto anexa onde aparece os irmãos Costa Pires: Victor, Carmem (Carminha), Fausto e Norma.

Segundo ela, o VICTOR estava com um problema de dor nas costas e também com um princípio de pneumonia. Internado no hospital, a pneumonia piorou e os médicos o sedaram, vindo ele depois a falecer. Perguntada se foi por insuficiência respiratória, a Norma não soube dizer exatamente a razão do falecimento.

Para quem conheceu o Victor Hugo, solicitamos seu pensamento de amor ao nosso primo, que receberá o carinho de vocês em sua alma.

Como já sabemos, o Universo é um Todo interligado e o seu pensamento afetará diretamente o primo que partiu.

PENSAMENTO e AMOR, as duas maiores energias existentes no Universo que tudo une e tudo constrói. Use-as agora, acessando o mais profundo do seu interior: a Alma Divina que existe em você e que se comunica com todos os Seres da Criação (muito mal comparando, igual à internet: todos ligados com todos).

Se o homem conseguiu inventar o Orkut e o Facebook, o "Facebook" que Deus inventou no Cosmos é muito mais perfeito. Por isso...

Envie sua mensagem de carinho ao VICTOR HUGO, visualizando-o com ajuda das fotografias anexas. Seu pensamento chegará até ele. Muito obrigado.

A REDAÇÃO

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

De: Alice Galvão - Goiânia (GO)

Tudo bem?

Já que a lei da causa e efeito está dando pano pra manga e lotando a sua caixa, vou entrar na brincadeira (mais do que séria) e dar a minha contribuição ao debate, que a meu ver seria bem mais proveitoso se tivesse uma sequência aberta e identificada. Assim conheceríamos mais intimamente os nossos parentes próximos e distantes. Falo isso, mas também não sei se pediria anonimato se estivesse em outra posição, não dá pra saber né?

Bom, eu e o maridão estávamos conversando sobre isso mais uma vez (por coincidência, costumamos conversar muito sobre isso, pois estamos há muito tempo tentando ter um filhote ou uma filhota). Após assistir ao "Estranho caso de Benjamin Button", divagamos sobre o caso, só que com uma outra interpretação: Já pensou se a gente nascesse velho e com muita experiência de vida acumulada e fôssemos rejuvenescendo ao longo da vida e ganhando inocência à medida em que o tempo passa? Neste caso as cabeçadas seriam na tentativa de incutir o melhor caminho para a pureza e a inocência nas almas dos nossos filhos.

Mas já que a vida não é assim, acredito na importância de sabermos observar em volta, analisar o comportamento dos nossos pais e avôs com uma balança, que nos dá a chance de pesar e entender o que se aplica no nosso caso e o que vamos fazer diferente (olha só como somos privilegiados por podermos pensar assim?) e não como uma estrada de mão única que deve ser seguida por falta de opção ou negada por existir uma contra-mão, na conviccão de que "voltar é revolucionário" (kkkkk).

Eu discordo de muita coisa que meus pais e meus avós disseram ou fizeram ao longo da vida. Mas conhecer a experiência deles é entender o produto final, é saber o que construiu aquelas pessoas que eu amei e amo tanto exatamente do jeito que elas estavam quando pudemos ser contemporâneos. E durante a minha vida mudei muito e elas mudaram ainda mais também. E saber que uma parte da mudança deles se deveu à minha existência é um privilégio, pois a meu ver se tornaram e se tornam a cada dia pessoas melhores. É para eles que ainda e sempre olharei para alimentar minha balança em busca do equilíbrio.

Me arrependo de muitas coisas, às vezes bobas, outras sérias, e me orgulho deste arrependimento, pois me prova que amadureci e que meu comportamento mudou. Se para melhor ou pior não sei, mas sei que foi rumo a um estilo de vida que me faz ficar melhor comigo mesma e com as pessoas que me cercam. Hoje quero ter qualidade de vida (diminuir a agressão física que por algum tempo adotei com meu corpo me alimentando mal, bebendo, fumando e me tornando sedentária) e realizar um sonho de cada vez, a longo prazo (ser uma profissional autônoma, me dedicar mais à música, ter um filho etc).

Resolvi lutar contra a ansiedade e parar de tentar abraçar o mundo com braços e pernas.
Quero ver mais as pessoas que amo e me irritar menos com as diferenças. Tentar ser cada vez menos intolerante.
Escrever mais. Ler mais ainda.

Quero levar as coisas menos a sério me divertir mais, ter leveza mesmo quando as coisas não estiverem fáceis como a mamãe faz.

Ter objetivos mais claros e me dedicar a eles até conseguir, como o papai.
Me alimentar intelectualmente para tentar alcançar a lucidez inabalável da vovó.
Me fortalecer e matar um leão por dia para conseguir a resistência e a liderança do vovô.

É isso também o que mais quero passar adiante. Se vou conseguir ou se vou dar murro em ponta de faca, só minha prole é quem poderá me dizer. Mas ouvindo e absorvendo a lei da causa e efeito, com certeza vou tentar.

Um beijo!

Alice Galvão - 62 9124 9904
Comunicação e Marketing
MSN -
alicegalvaoj@gmail.com
Blog -
http://www.alicegalvao.blogspot.com

O Tempo é o Senhor da Razão.




Resposta a uma cartinha que acabam de me enviar sobre a Lei de Causa e Efeito.

A pessoa pede que não seja citada e nem a carta dela mostrada. O que é uma pena.

Normalmente gosto de fazer as coisas com transparência, citando sempre o nome das pessoas que me escrevem.

Assim não podem alegar que estou inventando algo ou colocando palavras na boca de alguém. Mas vamos respeitar o pedido da missivista, chamando-a apenas de "Fulana".

Falou, Fulana.

Vai vivendo. Vai vivendo aí prima.
Algumas coisas só se percebe e se aprende com o tempo e também com as mudanças que acontecem em nossa cabeça com a chegada da maturidade.

Aí, certos pontos de vista que nos pareciam tão caros e tão certos... as opiniões que batíamos o pé achando que tinhamos total razão, de repente.... percebemos, com os novos conhecimentos que adquirimos, que "as coisas mudaram". Mas, o que é que mudou?

Não foram as coisas. Foram nossas cabeças que antes enxergavam a vida de uma forma e depois, com as experiências e o envelhecimento, passaram a enxergar as mesmíssimas coisas de um ponto de vista bem diferente. Por isso é que as pessoas dizem: "Gostaria de voltar a ser jovem, mas com a cabeça que tenho hoje".

Não há como explicar.
Tem que se viver para entender isso.

A filosofia sobre a Lei de Ação e Reação é tão velha quanto a Humanidade que, se já tivesse aprendido a ser responsável por cada coisa que faz, teria feito da Terra um paraíso aqui e agora. Não é o caso porque tais coisas se aprende muito lentamente e depois de muito sofrimento. Depois de muito "dar murro em ponta de faca" - como sempre fazem principalmente os mais jovens, muitos morrendo pelo caminho antes do tempo (no trânsito, nas baladas, nas drogas), por causa da falta de experiência deles.

Pensamos, falamos e agimos conforme o que nos dá na telha fazer, esperando que todo mundo nos compreenda e nos aceite. Dizemos: "Eu sou assim mesmo, e daí?"

Mas no momento em que chegam as consequências dos nossos atos, as reações às nossas atitudes, tendemos a nos magoar e a transferir nossa culpa para os outros. "Os outros" são sempre os culpados, pois "os outros" é que não nos compreendem: os pais, o governo, o chefe, a empresa, o vizinho, o marido.... Achamos que todo mundo é culpado. Menos nós. "O outros é que são o inferno" - ironizou certa vez um filósofo recente (esqueci o nome...). E nós os eternos coitadinhos e vítimas "dos outros", porque é sempre mais fácil por a culpa "nos outros" do que assumirmos as nossas responsabilidades.

É difícil, portanto, as pessoas olharem-se no espelho e admitirem: "Se isto está acontecendo comigo foi porque EU mesma fui a causadora disso. Se eu tivesse agido de outra forma, as coisas também teriam acontecido de outra forma". Simples assim, mas na prática não é o que acontece.

Assim, Fulana, a Lei de Causa e Efeito não é fácil de ser praticada ou compreendida.

Leva-se tempo. Tanto tempo que, na maioria das vezes, uma vida só não é suficiente para as pessoas aprenderem a mudar suas atitudes para fazer com que elas beneficiem a si própria e às pessoas ao seu redor. Mas isso vem com o tempo. Só com o tempo.

Porque cada um tem o seu momento de "abrir os olhos" e não adianta a gente querer antecipar isso à força. Cada qual com seu ritmo. Cada qual com o seu jeito, mas no fim, todos chegarão lá.
Como já foi dito, as pessoas um dia terão de aprender isso "pelo amor ou pela dor".

Poderá levar anos, poderá levar séculos. Mas preste atenção e veja como a Humanidade já mudou muito através dos séculos. Antes a barbárie, o apedrejamento, a escravidão, a Inquisição, o racismo, o apartheid, o horror de duas guerras mundiais. Hoje a democracia, a liberdade, a aceitação das minorias, a tolerância, o remorso com a destruição dos povos indígenas, o forte desejo de paz de quase todos os povos. É a Humanidade aprendendo suas lições a custa de sangue, suor e lágrima.

A Terra não se vinga, como dizem os ambientalistas.

Na Natureza não existe esse sentimento de "vingança". Vingança existe apenas dentro do coração dos homens. O que existe na Natureza é a Lei de Causa e Efeito. À medida que você destrói as coisas, estará colocando sua via em risco. Ao contrário, se você trabalhar pela construção do planeta cuidando das pessoas, dos animais, das plantas e do meio ambiente, colherá uma qualidade de vida muito melhor. Simples assim. Mas... quem é que aprende isso com facilidade?

Parece que tem de primeiro destruir para sofrer as duras consequências e só depois aprender que não é assim que se faz.

Então, o que eu fiz foi apenas já ir alertando isso para a minha sobrinhada!

Tenho visto tanto sofrimento entre eles. Vejo que sofrem com a ignorância dessa Lei por serem tão jovens e inexperientes. Vão desrespeitando a tudo e a todos achando que "estão se impondo na vida". "Se impõe" na empresa com malandragem, "se impõe" na rua desrespeitando a lei e os pedestres, e "se impõe" em casa com os filhos e com a mulher dando pontapé em tudo e em todos. Ora, não sou inocente. Já fiz isso também.

O resultado depois é aquela choradeira da separação, do filho que abandona o lar, da brigaiada, da desunião, da demissão no emprego (a vergonha porque foi apanhado surrupiando algo, porque foi desonesto). A bronca de ter apanhado da polícia (como já vi) ou de sofrer um processo por bobagens que fez... e por aí vai.

E tudo por que?
Porque as pessoas simplesmente não sabem viver. TÊM QUE APRENDER. Ninguém nasceu sabendo.
Foi isso que eu alertei, porque também já cometi e cometo erros demais.

Agora... aprende quem quer com os avisos que a gente dá.
Quem não quer, que aprenda sozinho. "Pelo amor ou pela dor", como diz o ditado.

Como dizia a empregada da minha mãe:
"A vida induca, Dona Leda".
Então, que a vida "induque" vocês. Fazer o que, né?
Nossa parte estamos tentando fazer.
Avisados vocês estão.

Como dizia o tio Luiz da tia Stella: "Não importa se a gente for considerado um chato, ou não. Nossa missão é alertar nossos filhos, nossos netos. Foi por isso que Deus nos colocou aqui como pais, como avós. Temos que cumprir nossa missão. Agora... se os filhos querem nos ouvir, ou não, aí já é problema deles. Que arquem com a consequência de sua própria ignorância em matéria de se viver, até porque eles também chegaram à Terra para aprender a custa de suas próprias experiências."

Bão, Fulana...

Espero que vc tenha compreendido melhor o que tentei fazer ao relembrar para vocês a existência dessa Lei de Causa e Efeito. Se isso minorar o sofrimento de uma só pessoa nesta família, já me darei por satisfeito. Eu bem sei, por algumas cartas que recebo, que algumas palavras publicadas no meu jornal chegam na hora exata para algumas pessoas que já estão entrando em desespero e, de repente, enxergam ali uma luz no fim do tunel, que até eu mesmo nem tinha enxergado.

Aí eu aprendo com as cartinhas dessa nossa parentada que aqui chegam também, como a sua, pedindo para que não sejam identificados junto aos demais.

Tenho a consciência tranquila, principalmente depois que vi que o tio Luiz tinha mesmo razão no dia em que me disse aquilo: "Faça a sua parte e depois vá embora tranquilo aqui da Terra. Ao menos você não se omitiu". É que eu estava bronqueado com um de meus filhos e comentei com o tio Luiz: "Não digo mais nada a meu filho. Ele que se ferre sozinho daqui por diante. Vai aprender levando coice da vida, já que é tapado".

Aí levei uma bronca do tio Luiz, que me disse aquilo que eu grifei em amarelo lá em cima. Era o tio mais velho ensinando ao sobrinho mais novo e eu o agradeço por isso.

Abração do primo e espero que agora vc tenha me compreendido melhor e a razão de haver tocado neste assunto ao iniciar-se o ano 2011. Porque é no início do ano que fazemos nossa "lista de propósitos" para sermos felizes no ano que entra.

Léo.
leonidaspiresbr@yahoo.com.br

domingo, 2 de janeiro de 2011

Masturbação: Como explicar pro filhote? Hum???...

video

E agora José???... Kkkkkkk!!

Colaboração enviada por: Zé Gui - Ilhabela (SP)
guilhermilhabela@bol.com.br

"A Vida induca..."

Frase que uma empregada caipira da Vó Leda sempre dizia:
"Ói, Dona Leda... Quando a mãe num induca os fio, a Vida induca".

Ao desejarmos Feliz Ano Novo aos nossos familiares, eu e a Ditinha utilizamo-nos de alguns ensinamentos filosóficos (como a "Lei de Causa e Efeito) já por nós há muito tempo conhecida e absorvida.

São ensinamentos como esses que, trazendo compreensão profunda de como as coisas funcionam no planeta, evitam com que as pessoas caiam em terríveis armadilhas que a vida nos trás.

Nada se conquista fácil nessa vida.
A sabedoria só chega pra gente depois de muitos tombos, lágrimas e erros, como bem o sabem nossos parentes mais velhos. É preciso sofrer para aprender. Mas... será que é preciso mesmo?

Se pudermos passar algum conhecimento aos nossos filhos, sobrinhos e sobrinhas, netos e netas, não poderiam estes, desde já, aprender a evitar tantas pedras no caminho? Evitar tantas lágrimas de desgosto, decepção e desencantamento com a vida... com as pessoas?

Sim, isto é possível!

Podemos jogar sementes de conhecimento para eles. Sementes de sabedoria "que não se aprende na escola", mas sim na grande e RIGOROSA Escola da Vida.

Pois aqui vão algumas dessas sementes e, como toda semente, sabemos que algumas cairão em solo fértil (mentes já preparadas), e que outras serão chutadas e desdenhadas, pois não são todos os sobrinhos que estarão, neste momento, maduros para compreender tais ensinamentos.

Aprenda quem quiser aprender.
Pois o que está sendo ensinado aqui TODOS terão que aprender um dia, "seja pelo amor ou pela dor". A escolha, como sempre, cabe a cada um de vocês, responsáveis que são pela própria felicidade (ou infelicidade) que conquistarem na vida.

Acesse:
http://www.avozdacasa.com.br/acao.htm  


A VOZ da CASA
Filosofia e Cultura para as Novas Gerações
Só o Conhecimento Ilumina